Card Sorting

Por meio da técnica de card sorting é possível identificar como o público-alvo de um projeto interativo espera que o conteúdo seja organizado. Para tanto, usuários são convidados a participar de sessões de aplicação desse método, que podem ser realizadas em grupo ou individualmente. Nessas ocasiões, os participantes recebem uma quantidade de cartões que representam os conteúdos únicos do projeto e devem agrupá-los da forma que considerem mais lógicas e apropriadas. O resultado dessas sessões serve de insumo para a construção do mapa de arquitetura.


Benefícios

  • Possibilidade de refletir o modelo mental dos usuários na arquitetura de informação proposta para um projeto interativo
  • Aumento da eficiência e efetividade das ações de interação do projeto
  • Incremento do índice de conversão do projeto
  • Aumento da credibilidade percebida pelos usuários


Quando Aplicar

Novo projeto

Durante a etapa de planejamento, pode ser aplicado antes ou depois da elaboração da sugestão de mapa de arquitetura, orientando a definição dessa proposta de estrutura.

Versão atual

O modelo de card sorting pode ser utilizado ainda para avaliar a arquitetura de um projeto já implantado, identificando aspectos que podem levar a melhorias de usabilidade.

Evolução

Após o lançamento de um projeto, esse método pode ser utilizado para verificar se há necessidades de aperfeiçoamento ou novos requerimentos.

Processo e Equipe

Etapas da atividade

  • Reunião de exploração

    Nessa ocasião é alinhado o entendimento, junto ao cliente, do contexto, conteúdo, públicos-alvo, objetivos e métricas de sucesso do projeto.

  • Inventário de conteúdo

    Essa etapa é realizada apenas quando o serviço visa avaliar a arquitetura de um projeto já implantado.

  • Estabelecimento do plano de teste

    Essa fase envolve a definição das variáveis de teste, os perfis dos usuários – como faixa etária, nível de experiência em navegação web, gênero e atividades profissionais, entre outras características – e os procedimentos a serem adotados. Nesse momento é decidido, por exemplo, se as sessões acontecerão remota ou presencialmente e ainda se serão fechadas ou abertas – quando o participante pode propor novos cartões ou rótulos para as categorias.

  • Teste piloto

    Essa atividade é voltada para a verificação e ajustes do plano de teste proposto.

  • Recrutamento de usuários

    Durante essa fase os participantes são recrutados segundo um roteiro de filtragem, instrumento este necessário para garantir que os usuários selecionados para as sessões atendam aos perfis definidos.

  • Realização das sessões

    Nessa etapa as sessões são realizadas segundo o plano de teste.

  • Análise dos dados

    Esse é o momento em que os resultados são compilados e organizados em uma planilha.

  • Produção e apresentação do relatório

    Nessa fase os resultados são apresentados ao cliente, junto com observações e sugestões de organização do projeto.

Entregas Esperadas

Plano de teste

Relatório composto pelas principais observações e recomendações de melhoria

Prazo

O prazo para a realização do serviço de card sorting depende de variáveis como número de usuários que participarão das sessões. Por exemplo, em casos de testes com cinco grupos compostos por quatro integrantes, serão necessárias, aproximadamente, três semanas.

Profissionais Envolvidos

Analista pleno de experiência do usuário – User Experience (UX)

Conduz a atividade.

Analista de UX sênior

Coordena os trabalhos e redige o relatório de recomendações.

Como selecionar

Critérios para seleção

  • Experiência dos profissionais selecionados para a atividade
  • Identificação de que os analistas envolvidos fazem parte do corpo técnico da empresa
  • Entrega de atestados de capacitação técnica para a atividade prevista
  • Apresentação de cases de sucesso dentro do escopo pretendido
  • Experiência da equipe de recrutamento dos usuários que participarão das sessões
  • Apresentação de modelo de plano de teste

Variáveis de consumo

  • Local do teste – em caso de deslocamentos para cidades ou bairros que podem concentrar os usuários
  • Perfil e número de participantes das sessões
  • Hora-homem

Referências

  • Livro: “Card Sorting: Designing Usable Categories”

    Donna Spencer

  • Livro: “Card sorting: a definitive guide”

    Donna Maurer e Todd Warfel